Manuel Maria Barbosa du Bocage - A Raposa e as Uvas





Manuel Maria Barbosa du Bocage - A Raposa e as Uvas


Contam que certa raposa,

Andando muito esfaimada,

Viu roxos, maduros cachos

Pendentes de alta latada.


De bom grado os trincaria,

Mas sem lhes poder chegar,

Disse: “Estão verdes, não prestam,

Só os cães os podem tragar!”


Eis cai uma parra, quando

Prosseguia seu caminho,

E, crendo que era algum bago,

Volta depressa o focinho.




 Manuel Maria Barbosa du Bocage - A Raposa e as Uvas

Conteúdo correspondente: