Luís Vaz de Camões - Soneto 20 - Transforma se o Amador na Cousa Amada





Luís Vaz de Camões - Soneto 20 - Transforma se o Amador na Cousa Amada


Transforma-se o amador na cousa amada,

Por virtude do muito imaginar;

Não tenho logo mais que desejar,

Pois em mim tenho a parte desejada.


Se nela está minha alma transformada,

Que mais deseja o corpo de alcançar?

Em si somente pode descansar,

Pois com ele tal alma está liada.


Mas esta linda e pura semideia,

Que como o acidente em seu sujeito,

Assim co'a alma minha se conforma,


Está no pensamento como ideia;

E o vivo e puro amor de que sou feito,

Como a matéria simples busca a forma.




 Luís Vaz de Camões - Soneto 20 - Transforma se o Amador na Cousa Amada

Conteúdo correspondente: