João da Cruz e Sousa - Broquéis - 15 - Carnal e Místico





João da Cruz e Sousa - Broquéis - 15 - Carnal e Místico


Pelas regiões tenuíssimas da bruma

Vagam as Virgens e as Estrelas raras...

Como que o leve aroma das searas

Todo o horizonte em derredor perfume.


N'uma evaporação de branca espuma

Vão diluindo as perspectives claras...

Com brilhos crus e fúlgidos de tiaras

As Estrelas apagam-se uma a uma.


E então, na treva, em místicas dormências

Desfila, com sidéreas lactescências,

Das Virgens o sonâmbulo cortejo...


Ó Formas vagas, nebulosidades!

Essência das eternas virgindades!

Ó intensas quimeras do Desejo...



João da CRUZ E SOUSA (1861 - 1898) foi um poeta brasileiro, considerado um dos precursores do movimento simbolista no Brasil. Seus poemas são marcados pela musicalidade e pelo sensualismo, mesclado com uma espiritualidade e religiosidade de maneira às vezes espantosa. Broquéis foi seu livro de estréia, e contém algumas de suas obras mais famosas, como o poema Antífona, peça de abertura do livro.




 João da Cruz e Sousa - Broquéis - 15 - Carnal e Místico

Conteúdo correspondente: